O Cruzado

O primeiro aspecto que chama atenção na escultura do homem que figura nesta fotografia é o modo de estar de pé. Tal escultura pode bem representar o cruzado no apogeu da Idade Média.

Ele apresenta um equilíbrio de corpo perfeito. Os pés não são pés chatos, como os de pato, com a precária firmeza deste. Não. É a estabilidade corporal do homem, na qual não falta uma certa nota de elegância, em que entra algo de espiritual. As pernas, o tronco, os braços, representam a solidez física perfeita de um homem que venceu a acção da gravidade.

Ele não cedeu em nada à preguiça. Mas também não está efervescente, não tem a mentalidade do homem de negócios, que fala em cinco telefones ao mesmo tempo... Mantém-se inteiramente tranquilo, mas de uma tranquilidade tal, que o seu repouso se volta inteiro para a acção...e actuação, que já é de uma vez a guerra. A mais absorvente de todas as actividades, aquela que se opõe mais directamente à preguiça não é o trabalho, é a luta. Ele está numa posição em que a qualquer momento pode iniciar o combate.

Ele faz uma proclamação com os grandes braços abertos, como quem diz: "Isto é assim e não vai por menos, ai de quem negar o que proclamo, porque pego na espada...". É a proclamação perfeita de quem anuncia e ameaça.

Por outro lado, o cruzado permanece numa atitude contemplativa. A sua fisionomia indica que ele não está vendo o que se passa em torno de si. Está olhando dentro de si mesmo. E de dentro de si considera um ideal inteiramente superior, que lhe ilumina a alma: são os princípios a favor dos quais o homem é obrigado a combater.

Ele todo é um edifício de coerência, de metafísica, pronto para descarregar o golpe. Todas as razões do combate lhe estão presentes, tudo raciocinado, coerente, tudo positivo.

É um homem profundamente sério. Se acontecer qualquer coisa diante dele, sua visão será a da realidade inteira. Não irá exagerar, nem subestimar, nem torcer a realidade, nem mentir. Ele vê o que acontece e diz o que vê. É o varão sério por excelência.

Plinio Corrêa de Oliveira        
(*) Excertos tirados da conferência proferida pelo Prof. Plinio para sócios e cooperadores da TFP, a 22 de Abril de 1967. Sem revisão do autor.

O Cruzado O Cruzado Reviewed by Francisco Nascimento on 13:32 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.