Homilia: Festa do Batismo do Senhor - Ano C

São Cirilo de Alexandria
Comentário ao Evangelho de São João
“Efusão do Espírito Santo sobre toda a carne”

Quando o Criador do universo decidiu restaurar todas as coisas em Cristo, dentro da mais maravilhosa ordem, e devolver a seu estado anterior a natureza do homem, prometeu que, ao mesmo tempo em que os demais bens, lhe concederia também efusivamente o Espírito Santo, já que de outro modo não poderia ver-se reintegrado à pacífica e estável posse daqueles benefícios.
Determinou, portanto, o tempo em que o Espírito Santo haveria de descer até nós, a saber, o tempo do advento de Cristo, e o prometeu ao dizer: Naqueles dias - se refere aos dias do Salvador - derramarei meu Espírito sobre toda a carne. E quando o tempo de tão excelsa munificência e liberdade produziu para todos nós o Unigênito encarnado no mundo, como homem nascido de mulher - de acordo com a divina Escritura -, Deus Pai concedeu por sua vez o Espírito, e Cristo, como primícias da natureza renovada, foi quem o recebeu primeiro. E isto foi o que testemunhou João Batista quando disse: e vi o Espírito que baixava do céu e pousou sobre ele.
Dizemos que Cristo, de sua parte, recebeu o Espírito enquanto se fizera homem, e enquanto convinha que o homem o recebesse; e, ainda que é o Filho de Deus Pai, gerado de sua mesma substância, inclusive antes de sua encarnação - ainda mais: antes de todos os séculos -, não fica ofendido de que o Pai lhe diga, depois que se fez homem: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei.
Afirma que gerou hoje a quem era Deus, gerado dele mesmo desde antes dos séculos, a fim de receber-nos por sua mediação como filhos adotivos; pois em Cristo, enquanto homem, se encontra significada toda a natureza: e assim também o Pai, que possui seu próprio Espírito, se diz que o outorga a seu Filho, para que nós nos beneficiemos do Espírito nele. Por este motivo pertenceu à descendência de Abraão, como está escrito: e se assemelhou em tudo a seus irmãos.
De maneira que o Filho unigênito recebe o Espírito Santo não para si mesmo - pois é seu, habita nele, e por seu meio se comunica, como já dissemos antes -, mas para instaurar e restituir a sua integridade para a natureza inteira, já que, ao tornar-se homem, a possuía em sua totalidade. Pode, portanto, entender-se - isto se quisermos usar nossa reta compreensão, assim como os testemunhos da Escritura - que Cristo não recebeu o Espírito para si, mas antes para nós em si mesmo: pois por sua mediação nos advêm todos os bens.



Fonte: Lecionário Patrístico Dominical, p. 555-556.
Homilia: Festa do Batismo do Senhor - Ano C Homilia: Festa do Batismo do Senhor - Ano C Reviewed by Francisco Nascimento on 04:44 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.