ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO ADVENTO, O CONTÍNUO ADVENTO


Celebramos o princípio e os nossos olhos já estão postos no fim. Somos, assim, arautos de um começo e, ao mesmo tempo, peregrinos de um final. Não é contradição. Pelo contrário, trata-se da mais profunda coerência. O fim já principiou no começo. É por isso que os «primeiros dias» são a semente dos «últimos dias» (Lc 21, 25). Dos primeiros aos últimos dias, peregrinamos na companhia do Último, do Definitivo, do Eterno.

O tempo não é apenas o campo do transitório, do passageiro e do efémero. No tempo, já habita a eternidade. No que passa, já fermenta o que não passa, o que nunca passará. No homem, já mora Deus.

Em tempo de Advento, a Santa Igreja convida-nos a celebrar a primeira chegada com os olhos voltados para a última vinda. Na primeira vinda, uma mulher deu à luz Jesus Cristo. Na última vinda, toda a humanidade dará à luz Jesus Cristo. Como Maria, também a humanidade está «grávida» de Cristo. Nenhuma nuvem nos impedirá de ver o Filho do homem «com grande poder e glória» (Lc 21, 27). Esse não será um momento de pavor, mas uma hora de libertação. Daí o apelo de Jesus: «Quando isto começar a acontecer, endireitai-vos e levantai a cabeça, porque a vossa libertação está próxima» (Lc 21, 28).

Por conseguinte, o fim não nos deve inspirar temor, mas esperança. O fim é uma inspiração: é uma inspiração para a missão. Sabemos donde partimos, sabemos para onde caminhamos.


Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.

ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO ADVENTO, O CONTÍNUO ADVENTO ENTRE O PRIMEIRO E O ÚLTIMO ADVENTO, O CONTÍNUO ADVENTO Reviewed by Francisco Nascimento on 01:44 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.