Os Conservadores

Desde que entrei para o seminário, era frequente ouvir críticas aos conservadores. Estes eram uns tipos que andavam por aí vestidos de cabeção (ou pior ainda, de batina), que afastavam o povo de Deus com as suas exigências moralistas e imposições autoritárias, que se mantinham agarrados a tradições que já não faziam sentido, como dar (ou receber) a Comunhão na boca, ter adorações ao Santíssimo, confessar “a torto e a direito”, etc.. Eram pessoas execráveis, que só faziam mal à Igreja, que não aceitavam o Concílio (e o seus “espírito”), que não sabiam ler os sinais dos tempos, intolerantes, ressabiados, azedos, etc.

Não era esta a experiência que eu tinha feito até então. Conforme ia conhecendo mais a fundo esta aversão dos que se diziam “conciliares”, mais ia percebendo que a questão era (e é) totalmente ideológica. Como é meu costume, lá me ia interrogando o porquê desta polémica, que não me fazia sentido, mais ainda quando passei eu a ser incluído neste grupo repulsivo.

Tentei, ao longo dos anos, mostrar o lado positivo do conservador, que, para mim é muito diferente do “tradicionalista”, dizendo que o conservador é aquele que muda o que tem de ser mudado, mantendo o que acha que deve ser mantido.

Quando o Papa Bento XVI disse que a interpretação do Concílio Vaticano II deveria ser feita na continuidade da história da Igreja, senti-me confirmado. Já agora, lembro que o Papa Francisco repetiu e confirmou o que dissera o seu predecessor.

Ao longo destes vários anos tenho-me confrontado com a impossibilidade de conseguir dar um valor positivo ao conceito de Conservador. Por isso, “se não podes vencê-los, junta-te a eles”. Pego por isso nas razões teológicas, pastorais, intelectuais e “conciliares” com que se costuma definir os conservadores: são aqueles que são incapazes de ler os sinais dos tempos e que, por isso, não evoluem.

Ao ver o que se tem passado nos anos recentes da história da Igreja, iluminado pelo magistério de todos (e friso o “todos”) os Papas “pós-conciliares”, uns com mais clareza, outros, não tanto, só posso chegar a uma conclusão: eu é que não sou conservador!

Deste modo, considero como conservadores aqueles que ficaram estagnados nos anos 60! São conservadores aqueles que ficaram presos a uma interpretação do Concílio datada e incapazes de sair do seu preconceito. São conservadores aqueles que teimam em não ler as notas de rodapé dos textos do Concílio Vaticano II que se referem aos do Concílio de Trento. São conservadores aqueles que teimosamente opõem Trento a Vaticano II.

Conservadores são aqueles que, em tempos, tomaram o “chavão” da reforma protestante “Ecclesia semper reformanda” pretendendo, com o Concílio e a sua interpretação peculiar, torná-lo católico, mas que só não se aplica aos mesmos desde os anos 60/70. Graças a Deus não sou conservador!

Dominus nos benedicat, et ab omni malo defendat, et ad vitam perducat aeternam. Amen.


Um Padre
Os Conservadores Os Conservadores Reviewed by Francisco Nascimento on 10:06 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.