A teologia de Karl Rahner e a eutanásia da Doutrina Social da Igreja

O Padre Karl Rahner SJ foi um dos teólogos mais influentes dos últimos 50 anos na Igreja, mas a sua teologia apresenta graves problemas. Alguns deles são apresentados no texto que se segue.

O Arcebispo Giampaolo Crepaldi escreve no seu livro “La Dottrina sociale della Chiesa. Una verifica a dieci anni dal Compendio (2004-2014)” [“A Doutrina social da Igreja. Uma verificação dez anos depois do Compêndio (2004-2014)”] (Cantagalli, Siena, 2014): 
«Na minha opinião, o pensamento mais influente na crítica da Doutrina Social da Igreja é o de Karl Rahner. Se examinarmos detalhadamente, muitos dos teólogos que criticaram e desenvolveram vias alternativas à Doutrina Social foram seus alunos. Rahner reflecte na esteira do pensamento de Heidegger, ou seja, fora do contexto de uma filosofia cristã e fora também do contexto definido na “Fides et Ratio” de São João Paulo II. Esta encíclica menciona alguns nomes, por exemplo, de filósofos cristãos, mas Heidegger não figura entre eles. Rahner concebe Deus como um "transcendental existencial". Isto significa principalmente duas coisas: que todos os homens são Deus, pois Ele é a sua dimensão apriorística, o horizonte não cognoscível e não classificável da sua subjectividade e da sua liberdade, na prática, da sua condição de pessoas; que a Deus se acede sempre no âmbito da nossa consciência. Deus não é conhecido, mas conscientemente e existencialmente experimentado como horizonte de todo o significado.

Esta posição historiciza a fé, que não é um conhecimento mas uma experiência existencial de um horizonte que não se pode transcender. Nisto consiste, para Rahner, a transcendência. Não existem já ateus e crentes, porque todos estão abrangidos por este horizonte e se acompanham reciprocamente na interpretação da vida. Uma pessoa passa de um cristianismo anónimo para um não anónimo, ou seja, temático e consciente, sem por isso deixar de partilhar o mesmo horizonte. O bem e o mal não são claros, dado que, tendo lugar toda a existência dentro do horizonte transcendental de Deus, existem vários níveis de bem que importará fazer aumentar, mas nunca condenar. O homem nunca pode saber com segurança quando está em situação de pecado. A Igreja não está diante do mundo, mesmo se está no mundo, mas faz-se mundo, porque partilha com o mundo o horizonte existencial comum.

Neste contexto, que aqui procurei sintetizar em poucas palavras com o risco de ser incompleto, é muito difícil fazer entrar a Doutrina Social da Igreja, a menos que se desmantele o seu carácter de corpus doutrinal, eliminando-se o seu valor missionário e salvífico, e se passe a entendê-la como uma prática de recepção, escuta e caminho em conjunto, mas sem a luz da verdade que vem de fora deste mundo, do transcendente. O transcendente, para Rahner, consiste precisamente na dimensão transcendental existencial que, sendo a condição de todos os significados, não pode ser, por sua vez, tematizada. É transcendente neste sentido.»

Destas afirmações resulta a incompatibilidade da teologia rahneriana com a Doutrina Social da Igreja e, por conseguinte, percebe-se porque todas as correntes de pensamento que se baseiam em Rahner têm combatido, aberta ou ocultamente, a Doutrina Social da Igreja, também no longo período - na verdade, especialmente nesse período - onde ela foi relançada pela vontade dos Papas. Trata-se de uma oposição surda e obstinada que tem produzido uma série de danos e que hoje parece ter vencido. Pude confirmar esta tese do Observatório no meu último livro, La nuova Chiesa di Karl Rahner. Il teologo che ha insegnato ad arrendersi al mondo" ["A nova Igreja de Karl Rahner. O teólogo que ensinou a render-se ao mundo”](Fede & Cultura, Verona, 2017). À luz do que está escrito neste livro, pode ser útil recordar aqui os aspectos fundamentais em que a teologia dirigida por Rahner configura uma tentativa de eutanásia da Doutrina Social da Igreja. Esperamos assim estimular um debate que acolheremos com prazer na nossa página.

A Igreja no mundo

Para que a Doutrina Social da Igreja exista, é necessário que a Igreja não se confunda com o mundo. A Doutrina Social da Igreja constitui de facto o anúncio de Cristo na realidade temporal. Ora se a Igreja está imersa, sem distinção, nas realidades temporais, a missão da Doutrina Social da Igreja, e a Doutrina Social da Igreja como missão da Igreja, ficam concluídas. É precisamente o que Rahner afirma: que a Igreja deve deixar de tentar “manipular o mundo”. A Igreja deve ser entendida como uma parte do mundo, sem pretensões de superioridade doutrinal e de verdade.

Deus revela-se no mundo

Isto é assim porque Deus não se revela prioritariamente na Igreja, mas no mundo, dado que Ele se revela indirectamente nos eventos da existência enquanto horizonte primordial e apriorístico que os torna possíveis. A revelação de Deus não é nem cósmica, nem metafísica, é totalmente histórica. Deus revela-se indirectamente nos factos históricos. Daqui resulta que a doutrina - e, portanto, também a Doutrina Social da Igreja - não é o elemento primordial. Antes de tudo há a vida, a prática ... e só depois a doutrina. É por isso que a Doutrina Social da Igreja tem sido acusada de ser ideológica e abstracta.

Deus é imanente na história

De acordo com Rahner, é necessário repensar a transcendência de Deus. Ela não tem carácter metafísico, mas existencial. Deus é transcendente na medida em que não é uma coisa entre as coisas, mas é o horizonte que torna possível a nossa visão interessada, participativa e livre das coisas. Transcendente, para Rahner, significa “a priori”. Neste sentido, Deus não nos revela conhecimentos, não nos transmite uma doutrina, não nos dá os preceitos ... Ele apenas nos diz para viver de forma participativa, dialogando com os outros, porque Deus revela-se a todos e não apenas aos cristãos.

Deus faz perguntas e não dá respostas

A Doutrina Social da Igreja, não obstante o seu carácter prático e até mesmo experimental, tinha a pretensão de fornecer as respostas para o bem e a salvação para a humanidade. Porém, para Rahner, Deus não dá regras, sugestões ou indicações. A presença de Deus em todos os homens consiste na sua “natureza questionável”, isto é, na insaciabilidade que os leva sempre a colocar em questão os resultados adquiridos. O cristão é simplesmente aquele que está aberto ao futuro, daqui resultando todas as doutrinas teológicas do futuro e a praxis que têm caracterizado as décadas pós-conciliares.

Desaparecimento da doutrina e da lei moral natural

A Doutrina Social da Igreja sempre afirmou ser baseada na revelação - ou seja, na doutrina da fé - e no direito natural. Mas na perspectiva de Rahner deixam de existir quer a revelação, quer o direito natural. A revelação não nos faz conhecer as verdades doutrinais, os dogmas são históricos e evoluem, a "natureza" é completamente absorvida na história e constitui um resíduo metafísico do passado.

Como se pode ver a partir destas breves anotações – melhor desenvolvidas no livro acima mencionado –, existe uma incompatibilidade absoluta entre a teologia de Karl Rahner e a Doutrina Social da Igreja. Tal facto explica, repito, porque esta tem sido tão contestada e combatida. Mas a razão não está do lado de Rahner e do rahnerismo, mesmo se estes parecem prevalecer hoje na Igreja.

Stefano Fontana in vanthuanobservatory.org
A teologia de Karl Rahner e a eutanásia da Doutrina Social da Igreja A teologia de Karl Rahner e a eutanásia da Doutrina Social da Igreja Reviewed by Francisco Nascimento on 01:21 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.