DE DEUS NÃO VEM A MORTE


Nada fazemos para nascer e, em princípio, tudo fazemos para não morrer. É por isso que a morte dói, é por isso que a morte mói. Dir-se-ia que a morte começa a doer muito antes de acontecer. No fundo, é desde sempre que a morte começa a doer. E as perguntas sobre a morte nunca deixam de (nos) moer.

Porquê morrer? Porquê a morte? A explicação biológica, embora irrenunciável, não nos satisfaz. Sabemos, de facto, que os seres vivos têm princípio, meio e fim. Até as estrelas morrem. Se até o espaço que nos abriga é finito, como é que nós haveríamos de ser infinitos? Apesar de tudo, a inquietação não pára e as perguntas sucedem-se.

Os textos deste Domingo não entram em questões científicas nem pretendem resolver problemas metafísicos. Mas pressupõem que as pessoas se interroguem e questionem o próprio Deus. Daí que o Livro da Sabedoria deixe bem claro que «não foi Deus quem fez a morte» (Sab 1, 13). Pelo contrário, olhando para o Evangelho, Deus é a única saída para a morte. Sem Deus, vivemos para morrer. Em Deus, morremos para viver. Sem Deus, até em vida se morre. Em Deus, até na morte se vive.


Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.

DE DEUS NÃO VEM A MORTE DE DEUS NÃO VEM A MORTE Reviewed by Francisco Nascimento on 02:34 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.