Pela fé, a prostituta Raab acolhe pacificamente os espiões

Naqueles dias: 1Josué, filho de Nun, enviou secretamente de Setim dois espiões, dizendo: “Ide reconhecer a terra e a cidade de Jericó”. Eles foram e entraram na casa de uma prostituta chamada Raab, e lá se hospedaram. 2Então foram avisar o rei de Jericó: “Eis que esta noite vieram aqui alguns filhos de Israel para espionar a terra”. 3O rei de Jericó mandou dizer a Raab: “Faze sair os homens que vieram a ti e entraram em tua casa, pois são espiões e vieram reconhecer todo o país”. 4A mulher, porém, tomou os dois homens e os escondeu. Depois disse: “Os homens de fato vieram a mim, mas eu não sabia de onde eram. 5Quando as portas da cidade iam ser fechadas, ao escurecer, os homens saíram e não sei para onde foram. Persegui-os depressa, e os alcançareis”. 6Ela, porém, os fizera subir ao terraço de sua casa e os escondera entre os feixes de linho que ali estavam. 7Os homens os perseguiram pelo caminho que dá para os vaus do Jordão e, logo que os perseguidores saíram, as portas da cidade foram fechadas.
8Antes que os espias se deitassem, a mulher subiu até eles, no terraço, e disse:9“Eu sei que o Senhor vos entregou este país, que o terror se apoderou de nós e que todos os habitantes do país tremeram diante de vós. 10Pois ouvimos dizer que o Senhor fez secar as águas do mar Vermelho à vossa frente, quando saístes do Egito, e o que fizestes aos dois reis dos amorreus que estavam do outro lado do Jordão, Seon e Og, que vós exterminastes. 11Quando ouvimos isto, tivemos grande medo, o nosso coração desfaleceu, e nenhum de nós tem ânimo diante de vossa presença; porque o Senhor vosso Deus é Deus lá em cima no céu, e aqui embaixo na terra. 12Agora, jurai-me pelo Senhor que, assim como eu usei de misericórdia convosco, assim vós atuareis com a casa de meu pai; e que me dareis um sinal seguro 13de que salvareis meu pai, minha mãe, meus irmãos e minhas irmãs, e todos os seus, e de que nos livrareis da morte”. 14Os homens disseram-lhe: “Nossa vida em troca da tua, contanto que não denuncies a nossa missão. Quando o Senhor nos entregar este país, agiremos contigo com misericórdia e lealdade”. 15Ela, então, os fez descer com uma corda pela janela, pois a casa onde morava se encontrava sobre a muralha. 16E disse-lhes: “Ide para a montanha, para que os perseguidores não caiam sobre vós; ficai lá escondidos três dias, até que os perseguidores voltem; depois continuareis o vosso caminho”.
17Os homens disseram-lhe: “Eis como iremos manter este juramento a que nos obrigaste: 18quando entrarmos no país, amararás este cordão de fio escarlate na janela por onde nos fizeste descer, e reunirás em tua casa teu pai, tua mãe, teus irmãos e toda a família de teu pai. 19Se alguém sair para fora da porta de tua casa, o seu sangue lhe cairá sobre a cabeça, e nós seremos inocentes; mas o sangue de todo aquele que estiver contigo em tua casa caia sobre a nossa cabeça, se alguém nele puser a mão. 20Contudo, se traíres esta palavra, se denunciares a nossa missão, estaremos livres do juramento a que nos obrigaste”. 21Ela respondeu: “Seja conforme as vossas palavras”. E, deixando-os partir, amarou o cordão de fio escarlate na janela.
22Eles partiram, então, para a montanha, lá permanecendo três dias, até que os perseguidores voltassem. Estes procuraram-nos por todo o caminho, mas nada encontraram. 23Os dois homens desceram então da montanha e, atravessando o Jordão, vieram até Josué, filho de Nun, e contaram-lhe tudo o que lhes havia acontecido. 24E disseram-lhe: “O Senhor entregou toda esta terra em nossas mãos, e todos os seus habitantes estão tremendo de medo por nossa causa”.


Do Livro de Josué             2,1-24
Pela fé, a prostituta Raab acolhe pacificamente os espiões Pela fé, a prostituta Raab  acolhe pacificamente os espiões Reviewed by Francisco Nascimento on 03:01 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.