Homilia: X Domingo do Tempo Comum - Ano B

Santo Irineu
Do Tratado contra as heresias
A misericórdia de Deus

Por sua própria misericórdia lhes perguntou, para que a acusação recaísse sobre a mulher, e a interrogou novamente, para que ela por sua vez transferisse a culpa para a serpente. De fato, ela declarou o que aconteceu: A serpente me seduziu e eu comi. Deus não interrogou a serpente, porque conhecia muito bem ao príncipe da transgressão; mas primeiramente lançou contra ela a maldição, de maneira que (só) em segundo lugar recaísse sobre o homem uma repreensão. Pois Deus odiava ao que seduziu ao ser humano; mas pouco a pouco sentiu misericórdia por aquele que tinha sido seduzido.
Por este motivo “o expulsou do paraíso” e o afastou da “árvore da vida”. Não é que Deus sentisse ciúmes pela árvore da vida, como alguns se atrevem a opinar; mas foi ato de misericórdia afastá-lo para que não continuasse transgredindo, a fim de que seu pecado não estivesse nele para sempre como um mal insaciável e sem solução. Deste modo o impediu de continuar transgredindo o preceito, impôs-lhe a morte e marcou um limite ao pecado ao colocar-lhe um fim na terra mediante a dissolução da carne. Desta maneira o homem, ao morrer, deixaria de viver para o pecado e começaria a viver para Deus.
Por isso Deus colocou uma inimizade entre a serpente e a mulher e sua linhagem, à espreita uma da outra, a segunda mordida ao calcanhar, mas com poder para esmagar a cabeça do inimigo; a primeira, mordendo e matando e impedindo o caminho do homem, até que veio a descendência predestinada a esmagar a sua cabeça: este foi aquele que Maria deu à luz. Dele diz o profeta: Caminharás sobre a serpente e o basilisco, com teu pé esmagarás ao leão e ao dragão, indicando que o pecado, que havia se estabelecido e expandido contra o homem, e que o matava, seria aniquilado junto com a morte reinante; e que por ele seria esmagado o leão que nos últimos tempos se lançaria contra o gênero humano, ou seja, o anticristo, o dragão que é a antiga serpente, e o ataria e submeteria ao poder do homem que tinha sido vencido, para destruir todo o seu poder. Porque Adão tinha sido vencido, e do qual se tinha arrebatado toda vida.
Assim, vencido novamente o inimigo, Adão pôde receber de novo a vida; pois a morte, a última inimiga, foi vencida, que antes tinha em seu poder ao homem. Por isso, libertado o homem, acontecerá o que está escrito: A morte foi devorada pela vitória. Onde está, ó morte, tua vitória? Onde está, ó morte, teu aguilhão? Isto não poderia ter-se dito se não houvesse sido libertado aquele sobre o qual a morte dominou ao princípio. Porque a salvação deste consiste na destruição da morte. E a morte foi destruída quando o Senhor deu vida ao homem, quero dizer, a Adão.


Fonte: Lecionário Patrístico Dominical, pp. 406-407.
Homilia: X Domingo do Tempo Comum - Ano B Homilia: X Domingo do Tempo Comum - Ano B Reviewed by Francisco Nascimento on 17:53 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.