Homilia: VI Domingo de Páscoa - Ano B

São Leão Magno
Tratado 74
“Pelo caminho do amor, também nós podemos ascender até Cristo”

Exultemos, amadíssimos, com júbilo espiritual e, alegrando-nos diante de Deus com uma digna ação de graças, elevemos livremente os olhos do coração para aquelas alturas onde se encontra Cristo. Que os desejos terrenos não consigam deprimir a quem tem vocação de sublimidade, nem as coisas perecedoras atraiam àqueles que estão predestinados às eternas; que os incentivos enganadores não atrasem aos que têm empreendido o caminho da verdade. Pois de tal maneira os fiéis hão de passar por estas coisas temporais que se considerem como peregrinos no vale deste mundo, no qual, ainda que certas comodidades os adulem, não se entregarão a elas de forma incontrolável, mas superá-las com valentia.
A tal devoção realmente nos estimula o Apóstolo Pedro. Ele, situado na linha daquela dileção que sentiu renascer em seu coração a sombra da trina profissão de amor ao Senhor, que lhe capacita para apascentar o rebanho de Cristo, nos faz esta recomendação: Queridos irmãos, vos recomendo que vos aparteis dos desejos carnais, que combatem em vós. Pelas ordens de quem, senão as do diabo, vos combatem os desejos carnais? Ele se empenha em submeter aos deleites dos bens corruptíveis as almas que tendem aos bens do céu, tratando de afastá-las das sedes das quais ele foi precipitado. Contra suas insídias deve todo fiel vigiar com sabedoria, para que consiga repelir ao seu inimigo servindo-se de sua própria tentação.
Queridos irmãos, nada há de mais eficaz contra os enganos do diabo do que a benignidade da misericórdia e a generosidade da caridade, pela qual se evita ou vence qualquer pecado. Porém, a sublimidade desta virtude não se consegue sem antes eliminar o que lhe é contrário. E existe algo mais contrário à misericórdia e às obras de caridade do que a avareza, de cuja raiz procede o germe de todos os males? Pelo que, se não se contém a avareza em seus próprios incentivos, é inevitável que no campo do coração – daquele em quem a planta deste mal cresce com toda pujança – nasçam mais os espinhos e abrolhos dos vícios do que alguma semente de uma autêntica virtude.
Resistamos, pois, amadíssimos, a este pestífero mal e cultivemos a caridade, sem a qual nenhuma virtude pode resplandecer. De maneira que por este caminho do amor, que Cristo percorreu para descer até nós, possamos também nós subir até ele. A ele a honra e a glória, juntamente com o Pai e o Espírito Santo, pelos séculos dos séculos. Amém.


Fonte: Lecionário Patrístico Dominical, pp. 357-358.
Homilia: VI Domingo de Páscoa - Ano B Homilia: VI Domingo de Páscoa - Ano B Reviewed by Francisco Nascimento on 16:51 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.