JESUS É O DEUS-ABRAÇO



Ao curar o leproso, Jesus sinaliza que está no mundo para nos curar da grande lepra que é o pecado. A cura está, portanto, à nossa disposição. Mas é fundamental assumir que estamos doentes. Tal como sucede com a lepra, também o pecado pode criar em nós alguma insensibilidade. A zona do corpo atingida pela lepra vai caindo aos bocados, tornando-se insensível. Também nós vamos decaindo no pecado e, a certa altura, pode acontecer que já nem nos apercebamos do pecado.
«O pecado do nosso tempo — alerta Pio XII — é a perda do sentido do pecado». É preciso, por conseguinte, ter a lucidez e a coragem deste leproso. Tal como o primeiro passo para reaver a saúde é reconhecer que estamos doentes, também a primeira atitude para recuperar a graça é assumir que somos pecadores.

Neste contexto, o afastamento do sacramento da Confissão não certifica, necessariamente, que as pessoas tenham uma vida mais santa. Pode indicar, antes, que muitos já nem sequer têm consciência do pecado em que vivem. É importante «cair de joelhos» como o leproso (cf. Mc 1, 40). O leproso venceu as barreiras do estigma e as barreiras da multidão. Ele tinha a certeza de que Jesus era o Emanuel, o Deus-conosco, o Deus em nós. O leproso percebeu — como nós devíamos perceber — que só em Jesus encontramos a cura e, portanto, a salvação.
Jesus é o Deus próximo, o Deus compadecido, o Deus que estende a mão, o Deus que abraça, o Deus-abraço. Jesus é o Deus que (nos) toca. Nunca é demais recordar que Jesus curava tocando nas pessoas e deixando-se tocar pelas pessoas. Em Jesus, Deus não age à distância. Ele supera a estranheza ontológica, que nos distancia de Deus, através de uma entranheza pessoal, que nos amarra definitivamente a Deus.



Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.

JESUS É O DEUS-ABRAÇO  JESUS É O DEUS-ABRAÇO Reviewed by Francisco Nascimento on 01:40 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.