CRUZ

A trave perpendicular
Que sustenta a minha cruz
Está cravada no chão
De uma eira peculiar.

À volta pedaços de trigo
Que restaram da colheita
Grãos esparsos sem interesse
Que não vale a pena eirar.

Eira de colheitas pequenas
Quase nada na verdade
Sempre vazia de sementes
Que se possam semear.

A trave perpendicular
Bem pode ali estar
Mas não dá frutos que cheguem
Para a fome saciar.

Trave, perpendicular, já disse,
Poderia ser uma qualquer
Com vigor que se visse
E se pudesse admirar.

Prefiro a outra, horizontal
Donde pende afinal
O que sou sem querer ser:

Um pobre crucificado
Que não sabe o que fazer
Deixar-se ficar ali pregado
Ou desistir e morrer.
CRUZ CRUZ Reviewed by Francisco Nascimento on 17:30 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.