A TÉCNICA VENCERÁ O HOMEM OU O HOMEM VENCERÁ COM A TÉCNICA?




A humanidade tem registado avanços como sempre. Mas está exposta e perigos como (talvez) nunca. Preocupante é sentir que muitos destes perigos resultam de alguns daqueles avanços. É por isso que o fluxo da esperança tem de ser permanentemente temperado com muitas doses de realismo. É que, se o bem cresce, o mal também progride.

Por conseguinte, não estamos em condições de apresentar uma visão unitária da história. Como percebeu Jacques Maritains, temos de contar com «várias descrições contraditórias» da existência. É certo que, como lembra Maurice Blondel, «tudo tende para o cume». Mas quem pode garantir, em cada momento, que estamos mais perto da plenitude? Não nos iludamos. Cada progresso — alerta Edgar Morin — acarreta sempre um retrocesso.

O progresso da tecnologia devia ser (simetricamente) correspondido por um progresso de humanismo. Mas a experiência mostra que o progresso tecnológico está visceralmente ligado a um inquietante retrocesso humanitário. Não é a técnica que ameaça o homem. Afinal, não é o homem o produtor — e o contínuo utilizador — da técnica? A bem dizer, é o homem que ameaça o próprio homem. Como é possível que o homem se deixe dominar por aquilo que gerou?

Na sua obra «Technology vs humanity», Gerd Leonhard verbaliza o que todos sentem: a tecnologia está a mudar e sobretudo a mudar-nos. O autor não hesita quanto ao caminho a seguir: tem de ser a humanidade a orientar a tecnologia; não pode ser a tecnologia a conduzir a humanidade. Estando cada vez mais conectados, já nos consciencializamos de que também estamos cada vez mais vigiados?
O mais intrigante é o caudal de irracionalidade em todo este processo. Não gostamos de ser vigiados, mas somos nós que fornecemos os elementos para que nos vigiem. E, como é óbvio, não podemos negligenciar a (momentosa) questão do emprego. A intervenção humana já não dispensa a tecnologia. Mas, ao mesmo tempo, é a tecnologia que vai dispensando a intervenção humana.

É fundamental apostar mais na via cooperativa que na via corporativa. A tecnologia existe para a cooperar com o homem. É urgente impedir que, em nome de lucros corporativos, a tecnologia ocupe o lugar do homem. Não deixemos que a tecnologia vença a humanidade. Façamos tudo para que a humanidade vença com a tecnologia!



Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.

A TÉCNICA VENCERÁ O HOMEM OU O HOMEM VENCERÁ COM A TÉCNICA? A TÉCNICA VENCERÁ O HOMEM OU O HOMEM VENCERÁ COM A TÉCNICA? Reviewed by Francisco Nascimento on 05:09 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.