NÃO COMECEMOS A DESISTIR E NUNCA DESISTAMOS DE COMEÇAR

Nestas alturas, é praticamente impossível ser original. Como notava Terêncio, «não se diz nada que já não tenha sido dito». As palavras parecem sempre velhas, mesmo quando falam do que é novo. Que esperar, então, do ano novo?
Após os desejos habituais, eis que nos preparamos para as amargas desilusões de sempre. À primeira vista, já nenhum ano parece ser novo. A própria palavra «novo» é bem antiga. Há quantos séculos não anda a humanidade a desenhar promessas de novidade?

Por vezes, a vontade de desistir é grande. Mas é precisamente por isso que a determinação de persistir tem de ser ainda maior. Afinal e como dizia Sto. Agostinho, «é quando parece que tudo acaba que tudo verdadeiramente começa». Na vida, são muitas as situações em que tudo parece que vai acabar. Na vida, são muitos os momentos em que temos de ganhar forças para recomeçar.
O início de um ano sinaliza que a vida é um recomeço constante. Há 12 meses, também estávamos a começar um ano. Há 24 e há 36 meses, estávamos igualmente a começar outros anos. O que jamais podemos é desistir: não comecemos a desistir e nunca desistamos de começar.



Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.
NÃO COMECEMOS A DESISTIR E NUNCA DESISTAMOS DE COMEÇAR  NÃO COMECEMOS A DESISTIR E NUNCA DESISTAMOS DE COMEÇAR Reviewed by Francisco Nascimento on 04:21 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.