APENAS «CRISTÃOS DA TARDE»?

Às vezes, parece que nos resignamos a ser meros «cristãos da tarde», caminhando soturnamente para o ocaso. Quem nos ouve fica com a sensação de que a «noite» é o nosso inevitável (e único) destino. Não haverá lugar para novas «manhãs»?

É certo que a Bíblia nidifica, frequentemente, a nossa existência na «tarde» e na «noite». Mas sempre com vista para a «manhã». Segundo alguns relatos da criação, o mundo não viaja da manhã para a tarde, mas da tarde para a manhã (cf. Gén 1,1-2,4). É por isso que, para Isaías, a função da sentinela é — na noite — anunciar a chegada da manhã (cf. Is 21, 11-12).

Assim sendo, não será missão do crente proclamar que a «noite» vai adiantada e que o «dia» já reluz (cf. Rom 13, 13)? O nosso mal é que, como assinala Ruy Belo, «já não sabemos donde a luz mana».

Portamo-nos como quem perdeu «a luta da fé; não é que no mais fundo não creiamos, mas não lutamos já firmes e a pé». Precisamos, pois, não só de uma «reforma perene» (de que fala o Vaticano II), mas também de um «renascimento contínuo».

Para Christoph Theobald, não basta que a Igreja esteja «em reforma». É fundamental — e cada vez mais urgente — que constituamos uma «Igreja em nascente», uma «Igreja em permanente gestação».

Mais do que a preocupação pelas estruturas, o que tem de avultar é a paixão pelo anúncio de Cristo e pela vida em Cristo. Tendo em conta que muitos já não vêm à procura, é imperioso que nós vamos ao encontro. Christoph Theobald sugere que apostemos numa «pastoral da visitação». Que batamos às portas e que, em casa das pessoas, promovamos a leitura das Escrituras. Essa será uma oportunidade para propor uma abertura «à dimensão sacramental da fé em Cristo».


É vital recuperar a chama, o viço e o encanto dos começos. Não podemos apresentar a Igreja como se de uma «carcúndia» entorpecida se tratasse. Há que ser original na transmissão da fé. E tenhamos presente que ser original não é (necessariamente) afastar-se do que tantos fizeram; até pode ser trilhar o que muitos andaram. Afinal, ser original é ser fiel às origens. É transportar o entusiasmo das origens para o nosso tempo. Nunca envelhecerá quem, em cada momento, for capaz de renascer!

Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante