APENAS «CRISTÃOS DA TARDE»?

Às vezes, parece que nos resignamos a ser meros «cristãos da tarde», caminhando soturnamente para o ocaso. Quem nos ouve fica com a sensação de que a «noite» é o nosso inevitável (e único) destino. Não haverá lugar para novas «manhãs»?

É certo que a Bíblia nidifica, frequentemente, a nossa existência na «tarde» e na «noite». Mas sempre com vista para a «manhã». Segundo alguns relatos da criação, o mundo não viaja da manhã para a tarde, mas da tarde para a manhã (cf. Gén 1,1-2,4). É por isso que, para Isaías, a função da sentinela é — na noite — anunciar a chegada da manhã (cf. Is 21, 11-12).

Assim sendo, não será missão do crente proclamar que a «noite» vai adiantada e que o «dia» já reluz (cf. Rom 13, 13)? O nosso mal é que, como assinala Ruy Belo, «já não sabemos donde a luz mana».

Portamo-nos como quem perdeu «a luta da fé; não é que no mais fundo não creiamos, mas não lutamos já firmes e a pé». Precisamos, pois, não só de uma «reforma perene» (de que fala o Vaticano II), mas também de um «renascimento contínuo».

Para Christoph Theobald, não basta que a Igreja esteja «em reforma». É fundamental — e cada vez mais urgente — que constituamos uma «Igreja em nascente», uma «Igreja em permanente gestação».

Mais do que a preocupação pelas estruturas, o que tem de avultar é a paixão pelo anúncio de Cristo e pela vida em Cristo. Tendo em conta que muitos já não vêm à procura, é imperioso que nós vamos ao encontro. Christoph Theobald sugere que apostemos numa «pastoral da visitação». Que batamos às portas e que, em casa das pessoas, promovamos a leitura das Escrituras. Essa será uma oportunidade para propor uma abertura «à dimensão sacramental da fé em Cristo».


É vital recuperar a chama, o viço e o encanto dos começos. Não podemos apresentar a Igreja como se de uma «carcúndia» entorpecida se tratasse. Há que ser original na transmissão da fé. E tenhamos presente que ser original não é (necessariamente) afastar-se do que tantos fizeram; até pode ser trilhar o que muitos andaram. Afinal, ser original é ser fiel às origens. É transportar o entusiasmo das origens para o nosso tempo. Nunca envelhecerá quem, em cada momento, for capaz de renascer!

Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.
APENAS «CRISTÃOS DA TARDE»? APENAS «CRISTÃOS DA TARDE»? Reviewed by Francisco Nascimento on 05:33 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.