HÁ MAIS DESERTOS NOS CORAÇÕES DO QUE NOS SOLOS

É por isso que a esperança não é inativa. A esperança é profundamente ativa e ativadora. Ter esperança não é ficar quieto, não é aquietar. Pelo contrário, ter esperança é inquietar e deixar-se inquietar. Aliás, São Pedro também irmana a novidade que esperamos com a justiça por que (também) suspiramos (cf. 2Ped 3, 8).
Sem justiça, não haverá novos céus nem nova terra. Sem justiça, nenhuma novidade é boa. Mas para que a justiça possa acontecer, o Justo temos de acolher. Deixemos, pois, que as nuvens «chovam» o Justo (cf. Is 45, 8). A justiça tem de ser acolhida como um dom. Nós sabemos que, como reza o Salmo 72, nos dias do Senhor, a justiça, juntamente com a paz, virá para sempre (cf. Sal 72, 3).

A iniciativa é de Deus. É Deus que, em Cristo, nos envia a justiça e a paz. João é a voz que anuncia a chegada desta justiça e desta paz. É neste sentido que João é a voz que urge conversão. Mas é igualmente neste sentido que João surge também como uma voz que «brada no deserto» (Mc 1, 3).
O deserto, aqui, não são tanto os solos áridos. O deserto, aqui, são sobretudo os nossos corações insensíveis e indiferentes. Há mais desertos nos corações do que nos solos. João fala para nós. Mas que atenção damos à sua voz? Hoje, há tantos desertos no mundo, há tantos desertos na vida. João é o homem que fala no deserto e ao deserto. É o homem que não foge das adversidades. É o homem que diz o que tem de ser dito, para que nós façamos o que tem de ser feito.



Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.
HÁ MAIS DESERTOS NOS CORAÇÕES DO QUE NOS SOLOS HÁ MAIS DESERTOS NOS CORAÇÕES DO QUE NOS SOLOS Reviewed by Francisco Nascimento on 11:07 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.