COMO CHEGAR AO NATAL SEM ATRAVESSAR O ADVENTO?

Há quem atravesse o Advento sem se aperceber do Advento. Mal finda o Verão e os sinais de Natal já cá estão. Mas que Natal será este, antes do Advento e sem Advento? Há quem atravesse o Advento saltando de festa em festa, sem parar, sem refletir, sem mudar. O Advento não é, obviamente, ausência de alegria. Mas é o Natal que desponta como plenitude da alegria. Sucede que toda esta sofreguidão em torno do Natal tem vindo a obscurecer completamente o significado do Advento.

Até nós, cristãos, acabamos por embarcar na corrente.  Afinal, estamos «no» mundo e, por vezes, esquecemos que não somos «do» mundo (cf. Jo 15, 19). É certo que celebramos o Natal de Jesus. Mas será que nos lembramos de preparar o Natal com Jesus? Há muitas antecipações do Natal e pouca preparação para o Natal. Ou será que já não percebemos que o Advento não existe para antecipar o Natal, mas para preparar o Natal?

A preparação para o Natal não devia ser feita só pelo estômago nem aos pulos. Não é com «festivais de comida» nem com espetáculos sem fim que nos preparamos para o nascimento de Jesus. Sem Advento, haverá Natal? Sem o silêncio do Advento, estaremos preparados para sorver o silêncio do Natal?

É raro pensarmos nisto, mas o Natal é um luminoso mistério de palavra e silêncio. Ao contrário de nós, que passamos a vida a falar no meio de ruído, Deus só falou uma vez e no meio do silêncio. Como notou São João da Cruz, Deus só pronunciou uma Palavra: o Seu Filho, o Seu Verbo. E pronunciou-A em silêncio. Tanto assim que nós nem A ouvimos. Para nós, a palavra é sobretudo som e quase sempre ruído. Mas, em Cristo, Deus ensina-nos que a palavra também pode ser dita (e não apenas ouvida) em silêncio.



Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante