UM DIA EM QUE SE RESPIRA FELICIDADE

Que dia belo, este! Tanta coisa bela para celebrar, hoje! Tanta coisa bela para agradecer, hoje! Tanta coisa bela para aprender, hoje! Celebramos, hoje, a santidade. Celebramos, hoje, todos os santos. Os santos, como notou Jacques Maritain, «são os melhores educadores». Porque não se limitaram a apontar. Os santos são os melhores educadores porque viviam o que diziam. Os santos são os melhores educadores porque deixaram de ser para passar a ser: deixaram de ser eles próprios para que Deus fosse neles.

Na sua prolixa variedade, os santos mostram-nos Deus em forma de palavra, em forma de presença, em forma de vida. Quando olhamos para os santos, olhamos para Deus. Os santos são espelhos que deixam ver e convidam a ser. A sua transparência é um convite para a nossa vivência.

É por tudo isto que neste dia se respira felicidade. A santidade, com efeito, irradia sempre felicidade. Toda a santidade é feliz e toda a felicidade pode ser santa. O nosso problema, aliás, começa logo nesta espécie de colisão entre o nosso desejo e o nosso caminho. Queremos todos ser felizes, mas andamos por caminhos que não levam à felicidade.

Se estivermos atentos, a vida de muitos santos não foi uma vida feliz para os nossos padrões habituais de felicidade. Será importante, então, olhar para os santos e reparar no modo como eles conseguiram ser felizes.



Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante