CORAÇÕES (não telemóveis) AO ALTO!

O volume de mudanças na nossa época leva não poucos a perguntar: estaremos numa época de mudanças ou no limiar de uma mudança de época? A pergunta não é retórica. De há uns tempos para cá, tem crescido a percepção de que já não estamos onde estivemos sem que saibamos muito bem onde nos encontramos. Nem para onde vamos. Daí a tendência para tipificar a nossa época como uma espécie de «época póstica».

Se repararmos, as caracterizações epocais são, geralmente, abertas pelo inevitável «pós». É assim que ouvimos falar de uma época «pós-moderna», «pós-religiosa» (mas também «pós-secular), «pós-cultural», etc. Nada surge como sólido. Tudo se afigura «líquido» (Zigmunt Bauman) e, portanto, inseguro, movediço, transitório, efémero. Há quem fique deslumbrado ante a expectativa da próxima novidade.

Mas não falta igualmente quem se mostre assustado perante a dissolução do que, ainda há pouco, parecia duradouramente novo. Neste tempo «super-hiper-mega» (onde predominam os «supermercados», as «hiperpromoções» e o «megaconsumo»), vamos perdendo a última réstia de autodomínio. É particularmente no recurso às novas tecnologias que revelamos uma cada vez maior dificuldade em perceber os limites.

A nossa propensão é para um uso ilimitado. A todas as horas e em praticamente todos os locais, estamos acompanhados (pelo menos) de um telemóvel. Em casa, a viajar, a comer, a estudar e até a rezar, ele surge como o omnipresente companheiro. Já mal nos imaginamos sem ele. É uma espécie de aditivo da nossa personalidade. Não vemos quase nada diretamente. Já nos habituamos a ver quase tudo através do telemóvel.

Não espanta, pois, que, há dias, o Santo Padre tenha sentido necessidade de recordar que o celebrante, na Missa, diz «corações ao alto» e não «telemóveis ao alto». Concretizando, não escondeu o seu desconforto por ver tantos telemóveis no ar durante as celebrações. E «não são só os fiéis; são também alguns sacerdotes e até bispos».

É hora de reflectir e (também) de inflectir. Será que o excesso de progresso não pode redundar num retrocesso? A fé não tem de estar ausente do telemóvel. Mas o telemóvel terá de estar sempre presente na vivência da fé? Na vida, nem tudo é para fotografar. E, na fé, há momentos em que, só fechando os olhos, conseguimos (verdadeiramente) ver!


Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.
CORAÇÕES (não telemóveis) AO ALTO! CORAÇÕES (não telemóveis) AO ALTO! Reviewed by Francisco Nascimento on 03:49 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.