Deus é fiel às suas promessas

Consideremos, diletos, de que modo o Senhor continuamente nos mostra a futura ressurreição, que tem por primícias o Senhor Jesus Cristo, a quem ressuscitou dos mortos. Pensemos, caríssimos, na ressurreição que se dará em seu tempo. O dia e a noite nos lembram a ressurreição. A noite deita-se, levanta-se o dia; vai-se o dia, cresce a noite em seguida. Vejamos as searas; quem e como fez a semente? Saiu o semeador e lançou em terra uma semente qualquer. As que caíram limpas e secas na terra se dissolvem; depois pela dissolução, a imensa majestade da divina providência as ressuscita, e de uma só muitas brotam e produzem fruto multiplicado.
Portanto, com a mesma esperança unamos nosso espírito a ele, fiel a suas promessas e justo nos julgamentos. Ele, que proibiu mentir, com muito mais razão não mentirá. Pois nada é impossível a Deus a não ser mentir. Que se avive nossa confiança e consideremos tudo como em estreita relação com ele.
Por sua palavra onipotente, tudo criou e pode por uma palavra tudo destruir. Quem lhe dirá: Que fizeste? ou que força resistirá a seu poder? (cf. Sb 12,12). Quando quer, como quer, tudo fará e nada se omitirá do que uma vez decretou. Tudo está diante de seu olhar e nenhum pensamento lhe é oculto,se até os céus narram a glória de Deus, o firmamento anuncia a obra de suas mãos; o dia transmite ao dia a palavra, e a noite, o conhecimento; e não são falas nem palavras que não se possam ouvir (Sl 18,2-4).
Estando assim tudo patente a seus olhos e ouvidos, temamos e, deixemos de lado as cobiças impuras, para nos cobrir com sua misericórdia no futuro juízo. Porque, qual de nós poderá fugir de sua mão poderosa? Que mundo acolherá ao que dele fugir? Em certo lugar diz a Escritura: Aonde irei e onde me ocultarei de tua face? Se subir aos céus, tu ali estás; se for aos confins da terra, lá tua mão direita; se puser meu leito no mar, ali está teu espírito (cf. Sl 138,7-11). Aonde então irá alguém ou para onde fugirá daquele que tudo abarca?
Aproximemo-nos, portanto, na santidade, elevando para ele castas e puras mãos, amando o nosso benigno e misericordioso Pai que nos tornou participantes de sua eleição.


Da Carta aos coríntios, de São Clemente I, papa
(Cap.24,1-5;27,1-29,1: Funk 1,93-97)      (Séc.I)

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante