Julgamento da pecadora Jerusalém

8,1 No sexto ano, no dia cinco do sexto mês, eu estava sentado em minha casa, com os anciãos de Judá sentados em minha frente. Nisso a mão do Senhor Deus pousou sobre mim. 2Então olhei e vi uma figura com aspecto de homem. Do que parecia ser a cintura para baixo, era de fogo. Da cintura para cima, era como se houvesse uma claridade, como o brilho de ouro incandescente. 3Ele estendeu uma forma de mão que me agarrou pelos cachos dos cabelos. Então o espírito me arrebatou pelos ares e levou-me em êxtase a Jerusalém, até a entrada da porta interna, que dá para o norte, local onde se acha a estátua rival que provoca ciúme. 4E eis que lá estava a glória do Deus de Israel, semelhante à visão que tive na planície. 5Ele me disse: “Filho do homem, levanta os olhos em direção ao norte!” Eu levantei os olhos para o norte e vi, ao norte da porta do altar, a estátua rival,logo na entrada. 6Ele me disse: “Filho do homem, vês o que estão fazendo? Vês as grandes abominações que a casa de Israel aqui pratica para me afastar do meu santuário? Mas verás abominações maiores ainda”. 
16 Depois me introduziu no átrio interior do templo do Senhor. Ali, à entrada da nave do templo do Senhor, entre o vestíbulo e o altar, estavam uns vinte e cinco homens, de costas para a nave do templo do Senhor, e as faces voltadas para o oriente. Eles se prostraram em direção ao oriente, diante do sol. 17Ele me perguntou: “Não viste, filho do homem? Parece pouco para a casa de Israel praticar as abominações que aqui se praticam? Pois além de encherem o país de violência e provocarem sempre de novo minha ira, ei-los ainda metendo o ramo no próprio nariz. 18De minha parte, eu também agirei com furor, sem dó nem piedade. Clamarão a meus ouvidos em altas vozes, mas não os atenderei”.  
9,1 O Senhor gritou a meus ouvidos, com voz forte: “Aproxima-se o castigo da cidade! Cada um tenha sua arma destruidora na mão!” 2Então, eu vi seis homens vindo da porta superior, voltada para o norte, cada qual empunhando uma arma de destruição. Entre eles havia um homem vestido de linho, que levava um estojo de escriba na cintura. Eles foram colocar-se junto do altar de bronze. 3Então a glória do Deus de Israel elevou-se de cima do querubim sobre o qual estava, em direção à soleira do Templo. E chamou o homem vestido de linho, que levava um estojo de escriba à cintura. 4O Senhor disse-lhe: “Passa pelo meio da cidade, por Jerusalém, e marca com uma cruz na testa os homens que gemem e suspiram por causa de tantos horrores que nela se praticam”. 5E escutei o que ele dizia aos outros: “Percorrei a cidade atrás dele e matai sem dó nem piedade. 6Matai velhos, jovens e moças, mulheres e crianças, matai a todos, até ao extermínio. Mas não toqueis em nenhum homem sobre quem estiver a cruz. Começai pelo meu santuário”. E eles começaram pelos anciãos que estavam diante do Templo. 7Ele disse-lhe: “Profanai o Templo, enchei os átrios de cadáveres. Ide.” E eles saíram para matar na cidade! 
8 Enquanto eles matavam, eu fiquei só. Caí com o rosto em terra e gritei: “Ah! Senhor Deus! Vais exterminar todo o resto de Israel, despejando teu furor sobre Jerusalém?” 9Ele respondeu-me: “A culpa da casa de Israel e de Judá é muito grave. O país está cheio de crimes de sangue e a cidade repleta de injustiças. Pois eles dizem: ‘O Senhor abandonou o país, o Senhor não está vendo’. 10De minha parte, eu também não terei dó nem piedade. Dou-lhes a paga que merecem”. 11Niso o homem vestido de linho e com o tinteiro à cintura informou dizendo: “Fiz conforme me ordenaste”.


Do Livro do Profeta Ezequiel                 8,1-6.16−9,11

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante