MISSAS DE NOSSA SENHORA: MARIA NA RESSURREIÇÃO DO SENHOR

15. Bem-aventurada Virgem Maria na Ressurreição do Senhor
(Para o tempo da Páscoa)

Introdução
Esta Missa já existia no Missal Romano (pp. 738-739) como o formulário do Comum de Nossa Senhora para o Tempo Pascal (com pequenas diferenças na tradução. Foi acrescentado também um novo prefácio). Celebra, com efeito, a ressurreição do Senhor e a alegria que dela decorre.
Partindo das santas mulheres (Evangelho) e da própria Virgem Maria, esta alegria se estende para a Igreja nascente e para o mundo inteiro. Celebramos o dia de luz e de vida no qual “toda terra exultou de alegria” (Prefácio). O convite à alegria é quase que um refrão nas orações e leituras desta Missa.
“Alegrai-vos, Virgem Mãe! Cristo ressuscitou do sepulcro, aleluia!” (Antífona de Comunhão). Ao mesmo tempo em que esta Liturgia convida Maria a alegrar-se pelo mistério da Ressurreição do seu Filho, exalta a sua fé neste mesmo mistério. Como indica o Prefácio, “acreditando ela concebeu seu Filho e acreditando ela esperou a ressurreição”.
Maria é, pois, invocada aqui como “forte na fé”, modelo para todos aqueles que creem em Jesus, “verdadeiro Deus e verdadeiro Homem” (Oração após a Comunhão) e esperam “alcançar as alegrias da vida eterna” (Coleta).

Antífona de entrada
Alegrai-vos, Mãe da luz,
porque Jesus, vencendo as trevas do sepulcro,
ilumina a terra inteira.

Oração do dia
Ó Deus, que vos dignastes alegrar o mundo com a ressurreição do vosso Filho, concedei-nos, por sua Mãe, a Virgem Maria, alcançar as alegrias da vida eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Oração sobre as oferendas*
Ao celebrarmos a memória da Virgem Maria, nós vos apresentamos, Senhor, os nossos dons. Venha em nosso socorro o vosso Filho feito Homem, que a vós se ofereceu na cruz como vítima imaculada. Ele que vive e reina para sempre.

Prefácio
Na verdade, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, é nosso dever dar-vos graças, é nossa salvação dar-vos glória, por Cristo Senhor nosso. Na ressurreição de Jesus Cristo, vosso Filho, enchestes de grande alegria a Santíssima Virgem e exaltastes admiravelmente a sua fé. Acreditando ela concebeu seu Filho e acreditando ela esperou a ressurreição. Forte na fé, pressentiu o dia da luz e da vida, em que, dissipada a noite da morte, toda terra exultou de alegria e a Igreja nascente rejubilou ao ver de novo o seu Senhor imortal. Por isso, com a multidão dos anjos, proclamamos a vossa glória, dizendo (cantando) a uma só voz:

Antífona de Comunhão
Alegrai-vos, Virgem Mãe!
Cristo ressuscitou do sepulcro, aleluia!

Oração após a Comunhão**
Confirmai ó Deus em nossos corações os mistérios da fé, para que, proclamando o Filho da Virgem verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, cheguemos à felicidade eterna pelo poder de sua ressurreição salvadora. Por Cristo, nosso Senhor.

Leitura: Ap 21,1-5a (“Eis que faço novas todas as coisas”)
Salmo: Is 61,10a-d.f.11; 62,2-3 (R: “Vós sois, ó Maria, a cidade do Senhor em que habita a justiça”)
Evangelho: Mt 28,1-10 (“Ele não está aqui! Ressuscitou!”)

*Na oração sobre as oferendas a Coletânea apresenta a conclusão “Que convosco vive e reina na unidade do Espírito Santo”, própria das coletas. Aqui o correto é utilizar “Que vive e reina para sempre”, como indica a IGMR, n. 77.

**Na oração após a Comunhão a Coletânea apresenta a conclusão “Por nosso Senhor Jesus Cristo...”. Porém, esta conclusão é própria das coletas. Aqui o correto é utilizar “Por Cristo, nosso Senhor”, como indica a IGMR, n. 89.


Fonte:
Lecionário para Missas de Nossa Senhora. Edições CNBB: Brasília, 2016, pp. 68-70.
Missas de Nossa Senhora. Edições CNBB: Brasília, 2016, pp. 95-97.

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante