AS DUAS BESTAS

 
Eu, João, 1vi então uma besta que subia do mar. Tinha dez chifres e sete cabeças. Em cima dos chifres havia dez coroas e sobre as cabeças, um nome blasfemo. 2A besta que eu via parecia uma pantera. Seus pés eram como os de um urso, sua boca como a boca de um leão. Então o Dragão entregou à besta sua força e seu trono, juntamente com grande poder. 3Uma das suas cabeças parecia mortalmente ferida, mas sua ferida mortal foi curada.
        E toda a terra, cheia de admiração, foi atrás da besta. 4Adoraram o Dragão, porque tinha entregue o poder à besta, e diziam: “Quem é igual à besta? Quem pode lutar contra ela?” 5A besta recebeu uma boca para proferir arrogância e blasfêmia. Recebeu também poder para agir durante quarenta e dois meses. 6Então abriu a boca em blasfêmias contra Deus, blasfemando contra o seu nome e a sua morada e contra os que moram no céu. 7Foi-lhe permitido combater contra os santos e vencê-los, e recebeu poder sobre toda tribo, povo, língua e nação. 8Então adoraram a besta todos os habitantes da terra cujo nome não está escrito, desde a fundação do mundo, no livro da vida do Cordeiro imolado.
9Se alguém tem ouvidos, ouça.
10Se alguém está destinado á prisão,
à prisão irá.
Se alguém deve morrer pela espada,
pela espada tem de morrer.
        Aqui é preciso a perseverança e a fidelidade dos santos.
        11Eu vi ainda outra besta sair da terra. Tinha dois chifres como um carneiro, mas falava como um dragão. 12Ela exerce todo o poder da primeira besta, na presença desta. Ela faz com que a terra e seus habitantes adorem a primeira besta, cuja ferida mortal tinha sido curada. 13A segunda besta realiza grandes milagres, até mesmo o de fazer descer fogo do céu sobre a terra à vista dos homens. 14Por causa do poder de fazer estes milagres, sempre na presença da primeira besta, ela consegue seduzir a humanidade, dizendo aos habitantes da terra que devem fazer uma imagem da primeira besta, que tinha sido ferida à espada, mas ficou com vida. 15Foi-lhe permitido animar a imagem da primeira besta, de modo que a imagem falasse e fosse morto quem não a adorasse. 16A segunda besta faz com que todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, recebam uma marca na mão direita ou na fronte. 17E ninguém pode comprar ou vender, se não tiver a marca da besta ou o número do seu nome. 18Aqui é preciso inteligência: quem é esperto pode decifrar o número da besta. É o número de uma pessoa humana. Seu número é seiscentos e sessenta e seis.


Do Livro do Apocalipse             13,1-18

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante