UM DIA PARA TOCAR, DE MODO ESPECIAL, A MISERICÓRDIA DE DEUS

Este Domingo da Oitava da Páscoa também foi conhecido, em tempos, como «Domingo in Albis», ou seja, «Domingo Branco». Com efeito, era neste Domingo que os batizados na Vigília Pascal vinham entregar a túnica branca que tinham recebido e que usavam durante a semana a seguir à Páscoa. Já agora, este Domingo recebeu igualmente o nome de «Domingo Quasímodo» por causa das primeiras palavras da antífona de entrada da Missa. São palavras extraídas da Primeira Epístola de São Pedro (2,2): «Como crianças recém-nascidas, desejai o leite espiritual». Em latim aquele «como» diz-se «quasi modo».

Também há sinais de os cristãos de fala grega denominarem este Domingo como «Dominica Nova» (Domingo Novo), em homenagem à vida nova recebida na Páscoa, pelo Batismo. Entre o povo há quem, como sabemos, tome este Domingo como «Domingo de Pascoela», termo que significa «pequena Páscoa».

Oficialmente, este é o «Domingo II da Páscoa» ou «da Divina Misericórdia». Esta última designação foi determinada a 30 de Abril de 2000, data que nesse ano também coincidiu com o segundo Domingo da Páscoa. Foi nesse dia que São João Paulo II canonizou Santa Faustina Kowalska, polaca como ele.

A esta religiosa, que faleceu em 1938, Jesus pediu que pintasse uma imagem Sua, que deveria conter a inscrição «Jesus, eu confio em Vós». Também pediu que essa imagem fosse venerada no mundo inteiro e, de modo solene, no domingo após o Domingo de Páscoa. Refira-se que esta santa é a grande apóstola da misericórdia, sobretudo através dos seguintes meios: devoção à Imagem da Misericórdia Divina; Terço da Divina Misericórdia; Festa da Divina Misericórdia; Novena da Divina Misericórdia; e Oração das três horas da tarde (em memória da hora da Sua morte).



Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante