SIGNIFICADO DA «OITAVA DA PÁSCOA»

É curioso notar que, conforme nos refere o Antigo Testamento, a festa dos tabernáculos e a festa da dedicação do Templo já tinham «oitava» (cf. Lv 23, 26; 2Cr 7, 9). Daí que algumas fontes baptismais e alguns túmulos cristãos tivessem a forma de octógonos.

A introdução da «oitava» terá acontecido por ocasião da dedicação das Basílicas de Jerusalém e  de Tiro, cujas festas duraram oito dias. Posteriormente, algumas festas litúrgicas passaram a incluir «oitavas». As primeiras foram a Páscoa, o Pentecostes e, no oriente, a Epifania. Seguiu-se o Natal, que também recebeu a sua «oitava». As festas de São Pedro e São Paulo, São Lourenço e Santa Inês foram igualmente distinguidas com «oitavas».

Chegaram a ser tantas as «oitavas» que a Igreja viu-se na necessidade de as catalogar. Assim, havia as «oitavas privilegiadas», as «oitavas comuns» e as «oitavas simples». As «oitavas privilegiadas» eram, por sua vez, subdivididas em «oitavas privilegiadas de primeira ordem, de segunda ordem e de terceira ordem».

Em 1955, foi suspensa a maior parte das «oitavas», mantendo-se apenas as da Páscoa, Natal e Pentecostes. Finalmente, em 1969, foi extinta a «oitava do Pentecostes», subsistindo as outras duas.



Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante