SEXTA FEIRA DA PAIXÃO

Colocam-Te a Cruz sobre os ombros, Senhor. É pesada a Cruz!

Não, não é a madeira que a faz pesada, são os meus pecados, são os nossos pecados que pesam sobre os Teus ombros.
Mas Tu carrega-la, cheio de amor, porque sabes que ao carregares os nossos pecados, nos vais libertando da escravidão do pecado e da morte.
Parece-me, Senhor, que cada vez que me reconheço pecador, cada vez que me confesso e Tu me absolves pelo Teu sacerdote, diminui o peso da Tua Cruz, parece-me que de algum modo sou um pouco Cireneu.
Mas logo volto a pecar e o alívio que Te dou é efémero e muito pouco!

Por vezes, Senhor, o meu pecado, os nossos pecados são tão grandes que o peso da Cruz Te faz cair por terra.
Mas logo Te levantas, para nos mostrares que também eu, também nós, apesar de cairmos no pecado, sempre nos podemos levantar, por Tua graça, Senhor.

Chegas finalmente ao Teu Calvário, que deveria ser o nosso calvário, mas Tu, no Teu infinito amor, decidiste vivê-lo por nós.
E eu nem estou lá para Te fazer companhia, porque também sou um daqueles que Te abandona de quando em vez.
Quisera eu ser João e estar ali, aos pés da Cruz, fazendo companhia a Tua Mãe.
Ou pelo menos ser o Centurião que Te reconheceu Filho de Deus, naquele momento que vai chegar.

Os cravos rasgam a Tua carne, e Tu vais repetindo interiormente, no meio das dores: É por ti, Joaquim, é por todos vós!
Quero pedir-Te as Tuas dores, quero sofrê-las, para que não sejas Tu a sofreres as dores das minhas culpas, mas fraco que sou, rapidamente as esqueço e me deixo envolver na rotina da vida diária.

Levantam-Te ao Céu, cravado naquela Cruz, e a única coisa que mitiga a Tua dor é saber que fazes a vontade do Pai, a vontade de salvar a humanidade que criaste no Teu amor.
Nas derradeiras forças ainda pedes, mais uma vez, por nós: Perdoa-lhes, Pai!

Por fim, exalas o último suspiro, a cabeça pende-Te para a terra, como a quereres fixar cada um de nós definitivamente no Teu olhar, (guardados que estamos no Teu coração), e o Céu e a Terra abrem-se para Te receber.
Quisera eu que fosse o meu coração a abrir-se, sem barreiras, sem dúvidas, sem fraquezas, para Te receber para sempre, e que, em cada momento que a tentação o tentasse, imediatamente se lembrasse de todos estes momentos que sofreste por mim, que sofreste por nós, e as repudiasse de imediato.

O silêncio toma agora conta da natureza e eu quero que tome conta do meu coração.
Que ao menos agora, no silêncio, eu Te contemple, eu Te louve, eu Te adore e Te dê graças sem fim, e para sempre me entregue a Ti, pelos outros, pelo amor.

Mergulhado na esperança, que me vem da confiança de saber que as Tuas promessas são sempre cumpridas, aguardo, ansioso, a Tua Ressurreição.

Glória a Ti, Senhor, agora e para sempre pelos séculos sem fim!

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante