É POR JESUS QUE NEM NA MORTE HAVEMOS DE MORRER!

Os discípulos compreenderam, finalmente, o sentido das palavras do Mestre. Ninguém Lhe tinha tirado a vida; era Ele que dava a vida (cf. Jo 10, 18). A esta luz, percebe-se que os evangelistas não digam explicitamente que Jesus morreu. Preferem, antes, dizer que entregou o Espírito (cf. Jo 19, 30). Uma vez que o Espírito está associado à vida (cf. Jo 6, 63), então, ao dar-nos o Espírito, dá-nos também a vida, a Sua vida.

Nós que, tantas vezes, sentimos que vamos morrendo na vida, olhemos para Jesus que nos dá vida na própria morte.

Vivamos, por isso, em Páscoa e não apenas no dia de Páscoa. Não basta haver um dia de Páscoa. É preciso que haja toda uma vida de Páscoa. É urgente que todas as nossas vidas sejam vidas de Páscoa.


É a vida de Páscoa que dá sentido ao dia de Páscoa, ao tempo de Páscoa. A Páscoa está no tempo para nunca deixar de estar na vida. A Páscoa não cansa. Não cansa nem dá descanso. É preciso fazer como os discípulos da primeira hora. É preciso sair e correr, a toda a pressa, para anunciar Jesus. Digamos, então, a todos que aquele que foi à morada dos mortos continua vivo. Até aos mortos Ele dá vida. É Jesus que nos faz viver. É por Jesus que nem na morte havemos de morrer!

Frei Francisco Bezerra do Nascimento, OFMConv.

You Might Also Like

0 comentários

Mapa De Visitante