Acolher Jesus na família, na pessoa dos filhos, do marido, da esposa, dos avós...

Deus quer que em toda a família, seja de origem natural ou sobrenatural, reine sempre a generosidade, que é fonte de harmonia e de paz. Assim, recreando dia a dia o ambiente de Nazaré, em cada lar, de cada vez que uma família guarda este mistério, mesmo que esteja na periferia do mundo, o mistério do Filho de Deus, o mistério de Jesus que vem salvar-nos está a atuar. E vem para salvar o mundo. Esta é a grande missão da família: fazer lugar para Jesus que vem, acolher Jesus na família, na pessoa dos filhos, do marido, da esposa, dos avós... porque Jesus está aí. É preciso acolhê-Lo aí, para que cresça espiritualmente nessa família [7] e, analogamente, na grande família da Igreja.

A família baseada nos vínculos naturais tem como fundamento o casamento, situação estável e definitiva entre um homem e uma mulher para cumprirem o mandato de Deus na Criação [8]. Para os batizados, como bem sabemos, o casamento é, além disso, um sacramento: canal por onde chega aos cônjuges a graça específica do seu estado, imagem da união de Cristo com a Igreja [9]. É por isso, escreve o nosso Padre, que penso sempre com esperança e com carinho nos lares cristãos, em todas as famílias que brotaram do Sacramento do Matrimónio, que são testemunhos luminosos desse grande mistério divino – sacramentum magnum!(Ef 5, 32), grande sacramento – da união e do amor entre Cristo e a Sua Igreja. Devemos trabalhar para que estas células cristãs da sociedade nasçam e se desenvolvam com a luta pela santidade, com a consciência de que o sacramento inicial – o Batismo – confere já a todos os cristãos uma missão divina, que cada um deve cumprir no caminho que lhe é próprio [10].

S. Josemaria dava aos esposos uns conselhos nascidos da sua experiência e do seu ministério sacerdotal. Uma vez, respondendo a uma pergunta que lhe fizeram em Buenos Aires, exortava: Amai-vos de verdade! (…). Sobretudo, nunca discutais diante dos filhos. Porque as crianças reparam em tudo e fazem logo o seu juízo. Não sabem que S. Paulo escreveu: qui iúdicat Dóminus est (1 Cor 4, 4), que é o Senhor Quem julga. Erigem-se em senhores, mesmo que tenham 3 ou 4 anos, e pensam: a mãe é má, ou o pai é mau. É uma confusão terrível, pobres criaturas! Não causeis essa tragedia nos corações dos vossos filhos. Esperai, tende paciência, e depois discutireis quando o miúdo estiver a dormir. Mas pouco, sabendo que não tendes razão [11].

Todos podemos fazer nossos estes conselhos que ajudam a salvaguardar o relacionamento fraterno com as outras pessoas. Temos de meter o caráter no bolso – dizia, com bom humor – e, por amor a Jesus Cristo, sorrir e tornar agradável a vida aos que temos junto de nós [12]. Não é nada estranho – somos seres humanos, não puros espíritos – que alguma vez se nos escape uma reação desabrida ou de mau génio, fruto da soberba pessoal, capaz de turvar o convívio com as pessoas. Mas contamos com o remédio ao alcance da mão: saber pedir desculpa, mostrar de uma forma ou de outra que nos dói ter causado um desgosto a alguém. E se alguma vez pensamos que nos ofenderam, expulsemos terminantemente do coração, com a ajuda do Senhor, qualquer ressentimento: não queiramos incubar germes nocivos que podem amargurar as relações com os outros.

O Senhor é muito claro neste ponto, como diz o Evangelho: Ouvistes o que foi dito aos antigos: Não matarás. Aquele que matar terá de responder em julgamento. Eu, porém, digo-vos: Quem se irritar contra o seu irmão será réu perante o tribunal; quem lhe chamar "imbecil" será réu diante do Conselho e quem lhe chamar "louco" será réu da Geena do fogo. Se fores, portanto, apresentar uma oferta sobre o altar e ali te recordares que o teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Depois, volta para apresentar a tua oferta [13

[7]. Papa Francisco, Discurso na Audiência geral, 17-XII-2014.
[8]. Cfr. Gn 1, 26-28.
[9]. Cfr. Ef 5, 31-32.
[10]. S. Josemaria, Temas atuais do Cristianismo, n. 91.
[11]. S. Josemaria, Notas de uma reunião familiar, 23-VI-1974.
[12]. S. Josemaria, Notas de uma reunião familiar, 4-VI-1974.
[13]. Mt 5, 21-24.

Acolher Jesus na família, na pessoa dos filhos, do marido, da esposa, dos avós... Acolher Jesus na família, na pessoa dos filhos, do marido, da esposa, dos avós... Reviewed by Francisco Nascimento on 17:27 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.